O Comitê Transfusional (CT) é um grupo de profissionais de diferentes especialidades responsável pela definição e avaliação contínua da prática hemoterápica e pela hemovigilância, num serviço de saúde.

Os objetivos do CT são:

  • Melhorar as práticas hemoterápicas da instituição.
  • Aumentar a segurança transfusional.
  • Otimizar o uso dos hemocomponentes.
  • Reduzir os erros transfusionais.
  • Estreitar a relação do serviço de hemoterapia e os diversos serviços do hospital e criar um programa efetivo de revisão da utilização de hemocomponentes.
  • Promover educação e atualização continuadas em hemoterapia.
  • Atender à exigência legal.


Características

O Comitê Transfusional deve ser:

Institucional: cada instituição – hospital público ou privado, ambulatório, núcleo hemoterápico, hemocentro – deverá ter o seu Comitê Transfusional.

Multidisciplinar

Amplamente divulgado: o CT deverá divulgar, para toda a comunidade hospitalar, as suas funções, área de atuação, composição, rotina e como os profissionais poderão acessá-lo (fluxo de informações dentro de cada instituição).

Informativo, educativo e atualizado: o CT tem a obrigação de se manter atualizado nos temas pertinentes à hemoterapia e à hemovigilância e deve constituir-se num fórum educativo e não-punitivo.

Confidencial: a necessidade de assinatura de termos de confidencialidade para os assuntos do CT deve ficar a critério de seus membros.

 

Composição

  • A estrutura organizacional do CT deve considerar a complexidade, as características e as normas de cada instituição e se adequar às mudanças que podem ocorrer na mesma.
  • O CT deve relatar as suas atividades à Diretoria Clínica do Hospital.
  • O CT pode ser permanente ou ter uma política de renovação periódica de todos ou parte de seus membros, incluindo o seu coordenador.

 

Para maiores informações sobre a composição e membros do Comitê Transfusional, consulte o GUIA PARA USO DE HEMOCOMPONENTES – Ministério da Saúde – 2009 – página 117.